Abrir e-commerce se tornou uma tarefa muito mais simples de uns tempos para cá graças às diversas soluções que existem para facilitar a vida dos empreendedores. Hoje, você mesmo pode montar sua loja virtual e colocar produtos à venda usando as ferramentas certas e tomando os cuidados necessários para o negócio dar certo.

Por mais que os investimentos sejam bem menores em comparação às lojas físicas, os e-commerces precisam de uma gestão eficiente para crescer. Por isso, trouxemos algumas dicas de como iniciar o seu negócio e como mantê-lo saudável.

Continue lendo e fique por dentro do assunto!

Quanto custa abrir um e-commerce?

Se você está com planos de montar um negócio, fique sabendo que abrir e-commerce sai muito mais barato do que abrir uma loja física. Isso porque tanto os investimentos iniciais quanto os gastos com manutenção são bem menores.

Graças aos recursos tecnológicos que existem hoje, os empreendedores conseguem realizar grande parte das tarefas sem sair de casa. 

A partir de um computador conectado à internet, é possível abrir o e-commerce, fazer divulgação da marca, gerir as vendas, etc. Portanto, não é preciso gastar com aluguel de espaço, compra de mobiliário, manutenções e diversos custos gerados por uma loja física.

Mas isso não quer dizer que o custo para abrir uma loja virtual é zero. Você provavelmente terá que comprar um domínio, contratar uma plataforma de vendas, soluções para gestão de estoque, entre outras.

Esses valores, porém, vão depender muito de qual domínio você vai escolher e também quais funcionalidades o seu negócio vai demandar do site. Mas não se preocupe, os valores costumam ser acessíveis e existem empresas para ajudar nesse ponto tanto para pequenos quanto para grandes empreendimentos.

O que você precisa saber antes de abrir um e-commerce

Veja a seguir quais são alguns cuidados que os empreendedores devem ter antes de lançar um comércio eletrônico:

1. Escolha do nicho de mercado

Para entrar nesse universo do e-commerce, você precisa saber o que vai vender e definir um nicho de mercado para o seu negócio. Lembre-se que já existem inúmeros e-commerces, então um bom caminho para se inserir no mercado é começar com produtos/serviços mais nichados.

Caso ainda não tenha certeza sobre isso e nem um interesse específico, comece fazendo um bom estudo de mercado. A partir disso, você vai conseguir enxergar as oportunidades e lacunas que o seu futuro empreendimento pode preencher.

Além disso, não deixe de acompanhar as tendências de crescimento para os setores que são do seu interesse. Elas vão fornecer ótimas pistas para você escolher um nicho com potencial de expansão.

2. Definição do público-alvo

Depois de escolher o nicho de mercado, você precisa ter clareza sobre qual público deseja atingir ao abrir e-commerce. Ou seja, para quem você quer vender os seus produtos?

Fuja da ideia de vender para todo mundo, pois essa não costuma ser uma boa estratégia. Em primeiro lugar porque nenhum produto atinge todos os públicos. E, em segundo lugar, a segmentação de público é o que ajuda os pequenos negócios a crescerem.

3. Contratação de plataforma de venda

A escolha de uma boa plataforma de vendas é muito importante na hora de abrir e-commerce, pois é a partir dela que você irá controlar suas vendas e entender os interesses dos usuários.

Então é hora de pensar nos canais de venda para os seus produtos. Uma das formas de fazer isso é por meio da criação de um site próprio.

Para isso, o primeiro passo é comprar um domínio, ou seja, um endereço eletrônico para o seu e-commerce. Depois, você precisa escolher uma plataforma de e-commerce adequada.

Há quem pense que para montar uma loja virtual é preciso contratar um profissional especializado nisso, mas não necessariamente. Hoje já existem diversas plataformas simples, fáceis de configurar e com ótimos recursos.

Elas são excelentes opções, sobretudo no começo do e-commerce. Por terem valores acessíveis, não oferecem riscos associados a um alto investimento e podem ser um bom ponto de partida!

Além de um e-commerce próprio, uma opção que tem feito sucesso entre os empreendedores são os marketplaces. Eles funcionam como uma grande loja onde os consumidores podem comprar de diferentes marcas, inclusive a sua! Portanto, considere essa alternativa também, pois ela pode ajudar a tornar sua marca mais conhecida.

4. Realização de controle de estoque

Também é fundamental que você faça uma boa gestão do estoque e das entregas de produtos. Do contrário, seu e-commerce corre o risco de gerar uma percepção negativa dos consumidores.

Ao abrir e-commerce, você deve ter um estoque de produtos suficientes para atender às demandas da loja virtual (e da loja física também, se for o caso). Ainda, os empreendedores devem ter o controle do que entra e do que sai do estoque. Se puderem contar com a ajuda de um sistema automatizado, melhor ainda!

E isso vale não apenas para os produtos, mas também para as matérias-primas armazenadas.

Ao fazer um controle bem feito, os ganhos na logística são enormes. Dessa forma, você evita possíveis frustrações geradas pela indisponibilidade de produtos na sua loja.

5. Estabelecimento de parcerias essenciais

Seja qual for o serviço que você precisa para fazer o negócio funcionar, tenha certeza de estar contando com os melhores parceiros.

Quando o assunto é gestão de estoque, o Guarde Aqui oferece a solução que os empreendedores digitais precisam para fazer o negócio girar. Isso porque a empresa oferece os chamados “boxes self storage”.

A ideia é oferecer o aluguel de espaços de diferentes tamanhos para que os donos de e-commerce armazenem produtos, materiais e o que for preciso. Tudo isso com muita praticidade e segurança.

Além disso, as unidades do Guarde Aqui estão localizadas em pontos estratégicos das grandes cidades, o que facilita a distribuição de produtos e toda logística do e-commerce.

Quer saber mais sobre como essa solução funciona? Acesse o site e fique por dentro das vantagens que o Guarde Aqui oferece para o seu negócio!

Autor

Marcelo Balogh

Comecei minha carreira no GuardeAqui há mais de 12 anos. Na época, era assistente e, com o passar do tempo fui crescendo e aprendendo muito dentro da empresa. Sou formado em logística e em outros cursos da área e, hoje, ocupo o cargo de gerente regional. Além disso, também atuo no auxílio de expansão e novos negócios com a aquisições de novas unidades.

Deixe seu comentário